Chicago: soja mantém estabilidade antes do boletim do USDA

Na Bolsa de Chicago (CBOT), as cotações futuras da soja iniciaram a sessão desta quarta-feira com leve queda, próximas da estabilidade. Às 7h54 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam perdas entre 0,25 e 0,75 pontos. O novembro/17 trabalhava a US$ 9,65 por bushel, enquanto o janeiro/18 operava a US$ 9,76 por bushel.

Mais uma vez, os investidores se preparam e aguardam as novas projeções do relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), que será divulgado nesta quinta-feira. Cenário que faz com que o mercado não exiba oscilações mais expressivas.

Os investidores apostam em uma ligeira alta na produção de soja no país que pode subir de 120,6 milhões para 120,8 milhões de toneladas. Já os estoques finais americanos poderiam passar de 12,9 milhões para 12,3 milhões de toneladas.

Além do boletim do USDA, o mercado ainda observa o andamento da colheita nos EUA. Ainda ontem, o departamento reportou que a colheita já está completa em 36% da área cultivada nesta temporada, número abaixo das expectativas, de 38%. A média dos últimos anos é de 43%.

Alguns importantes estados como Indiana, Nebraska e Minnesota registram atraso nos trabalhos nos campos devido às chuvas. “As contínuas condições de campo encharcado atrasaram a colheita da soja, que ainda está abaixo da média dos últimos cinco anos”, reportou o Agrimoney.com.

Por outro lado, a situação do plantio da nova safra no Brasil também segue no radar. O mercado observa, especialmente, a irregularidade das chuvas no Centro-Oeste.

Deixe uma resposta