Conab discute política agrícola para os próximos cinco anos

Nos dias 9 e 10 de fevereiro, especialistas, pesquisadores e representantes de diversos órgãos governamentais e não-governamentais estiveram reunidos na sede da Conab, em Brasília, para avaliar o cenário do agronegócio no Brasil e no mundo. Segundo a Conab, o objetivo do chamado “Encontro Técnico de Política Agrícola” era subsidiar propostas de política agrícola para os próximos cinco anos.

Quatro temas centrais foram abordados. O primeiro, intitulado “Cenários”, avaliou os panoramas nacional e mundiais (China, Índia, Estados Unidos e Rússia, blocos econômicos, União Européia e Mercosul), para identificar as variáveis positivas ou negativas que possam afetar o desenvolvimento de uma política agrícola brasileira.

O segundo tema era “Política agrícola e desenvolvimento rural”, e analisou como as políticas públicas poderão promover o crescimento do meio rural, fortalecendo os mercados regionais e diversificando a atividade produtiva, agregando valor aos produtos para exportação.

“Avaliação da política agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização” foi o terceiro tema debatido. Os palestrantes apresentaram aspectos operacionais dos instrumentos PGPM (preços mínimos) e PRONAF (agricultura familiar), entre outros, de forma a contribuir para a introdução/operacionalização de mecanismos de apoio à produção e comercialização, nos próximos cinco anos.

O último tema foi “Fatores críticos do agronegócio”, ou seja, aqueles que possam ameaçar a competitividade brasileira de certas cadeias agroindustriais. Foram enfocados aspectos relativos a avanço tecnológico, comércio mundial, meio ambiente e outros.

Esperamos que os resultados tenham sido positivos e se convertam em políticas concretas e mais eficientes para os próximos anos!

Não deixe de conferir na seção “Artigos” do site www.arroz.agr.br a opinião de Fernando Lopa, Diretor Secretário da Associação dos Arrozeiros de Alegrete, sobre o anúncio de que a Basf vai fiscalizar a produção de arroz para coibir o uso ilegal do Sistema Clearfield de produção de arroz.

Fonte: Arroz Brasileiro

Deixe uma resposta