Criação de jacaré é incentivada em Mato Grosso

Matéria-prima em abundância, baixo custo de produção, quantidade de animais e docilidade da espécie caiman yacare, qualidade da carne e couro no local pronto para ser trabalhado.Estes são alguns dos aspectos positivos contidos no diagnóstico do setor de criação e produção de jacaré do Pantanal, que será apresentado na sexta-feira, 10, às 15 horas, na Agência Sebrae Cáceres.

Feito pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso (Sebrae/MT), o diagnóstico foi coordenado pelo consultor Hélio Shigueo Miyagawa, que fará a apresentação dos dados para empresários e representantes de instituições públicas e agentes financeiros.

O levantamento das informações foi feito nos meses de dezembro de 2005 e janeiro deste ano, quando foram ouvidos criadores de jacaré, empresários donos de abatedouros e curtumes do município de Cáceres, a 250 km da capital, às margens do rio Paraguai, no Alto Pantanal.

A criação de jacaré em cativeiro vem sendo desenvolvida na cidade desde 1990 e recebe apoio do Sebrae desde 2004. Em 2005, o plantel de jacarés em cativeiro era de 72 mil animais e em 2006 deve chegar a 185 mil.

Uma das carências detectadas está relacionada à tecnologia. “Estamos trabalhando na capacitação para que não seja mais necessária a presença do atravessador, especialmente no tratamento da pele”, explica a técnica do Sebrae, Cynthia Justino.

Com relação ao mercado, ela acrescenta que está sendo feita a aproximação do produtor com o consumidor de couro. “O produtor precisa entender que ele é um elo de uma cadeia que começa na criação e vai até o couro acabado”, enfatiza Cynthia, lembrando que as pessoas que trabalham o couro confeccionando sapatos, bolsas, acessórios, etc., integram uma outra cadeia e estão fora do Estado. “Precisamos atrair empresas de fora e estimular a criação de empresas locais que possam atuar na fabricação de produtos como a pele de jacaré. Mas, para isso, é preciso uma organização da cadeia produtiva”, destaca.

A técnica destaca que a implantação do sistema de Gestão Orientada para Resultados (Geor) agregando vários parceiros vai possibilitar a estruturação da cadeia.

Geor passa por processo de estruturação – Nos dias 16 e 17 de fevereiro, ainda na Agência Sebrae Cáceres, haverá um workshop de estruturação do sistema de Gestão Orientada para Resultados (Geor), com a participação de representantes do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Serviço de Aprendizado Industrial em Mato Grosso (Senai), secretarias de Desenvolvimento Rural (Seder), Meio Ambiente (Sema), Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme), Ciência e Tecnologia (Secitec), Federação da Agricultura do Estado de Mato Grosso (Famato), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), MT Fomento, Caixa Econômica Federal, Sicredi, Banco do Brasil e Banco da Amazônia.

A atividade de criação de jacaré em cativeiro teve início como uma alternativa para os fazendeiros protegerem suas propriedades das invasões de caçadores de jacaré. Hoje é uma atividade industrial com uma grande preocupação com a preservação ambiental e responsabilidade social.

Fonte: Folha do Estado

Deixe uma resposta