Crise na agricultura em 2005 afeta resultado do BB

A crise enfrentada pela agricultura brasileira no ano passado, quando a produção foi afetada por seca e câmbio desfavorável, afetou o resultado do Banco do Brasil, segundo balanço anual divulgado nesta segunda-feira (20-02). O lucro líquido cresceu 37,4%, e atingiu R$ 4,2 bilhões, mas poderia ter sido maior ainda se o banco não tivesse elevado em 19,6% as despesas com PCLD (Provisões para Créditos de Liquidação Duvidosa). Essas provisões passaram de R$ 4,521 bilhões em 2004 para R$ 5,407 bilhões no ano passado.

Apesar do risco maior nas operações com o setor em 2005, o presidente do Banco do Brasil disse que a instituição continuará “parceira” do agronegócio brasileiro. Diante da possibilidade de um acordo para socorrer o setor, entretanto, ele destacou que o banco tem seus critérios de avaliação de risco e que, apesar de não participar das decisões do governo sobre a rolagem de dívidas rurais, o banco não faz “operações sem a remuneração adequada”.

De acordo com o balanço divulgado hoje, as operações com o agronegócio totalizaram R$ 35,7 bilhões em 2005, o que correspondeu a um crescimento de 18,9% na carteira de crédito do setor. Para este ano, segundo Maranhão, o cenário é mais positivo para a agricultura, e não seria influenciado pelos fatos ocorridos no ano passado. Isso porque, na sua avaliação, diferentemente de 2005, neste ano os agricultores estão comprando insumos com um câmbio mais favorável.

Um dos grandes problemas da safra passada foi que grande parte dos insumos foram comprados com um dólar valorizado, e a safra foi comercializada quando a situação era inversa (real valorizado). A redução de preços de algumas commodities também agravou a crise de renda do setor.

Fonte: Folha Online

Deixe uma resposta