Fazenda de soja em Nova Mutum é a 1ª do mundo a receber certificação Eurepgap

A decisão de caminhar a passos largos para a qualidade total, cuidando do meio ambiente, controlando todas as atividades do plantio à colheita e do bem-estar de seus funcionários; remando contra a maré num Estado que detém o triste título de “campeão brasileiro de desmatamento” e seus produtores acusados de explorar mão-de-obra escrava, pode render muito mais que simples elogios para uma fazenda no Mato Grosso.

A Fazenda Ribeiro do Céu é modelo em vários aspectos, mas principalmente ambientais, e faz parte do Grupo Vanguarda, um dos mais ativos e produtivos do País. A propriedade que fica em Nova Mutum, a 270 km de Cuiabá, acaba de passar por uma pré-auditoria do IGCert / Instituto Genesis e, dentro de alguns meses, deverá se tornar a primeira com plantio de soja e milho, em todo o mundo, a receber a certificação Eurepgap, considerada o passaporte para o exigente mercado europeu. Para chegar a esse nível de reconhecimento, o grupo colocou em prática uma proposta do especialista na área ambiental, Anderson Souza Figueiredo, que resolveu fazer uma espécie de “blindagem” para proteger os negócios do Grupo Vanguarda, através da adoção das boas práticas agrícolas.

Isso significou fazer o controle de todas as etapas de produção, armazenagem e comercialização da área plantada; a coleta seletiva de lixo; a destinação correta de resíduos; a armazenagem adequada de venenos agrícolas; a conservação da área em torno das nascentes de três rios que cortam a propriedade; a construção de casas de alvenaria, ocupadas por 24 famílias; o registro em carteira de todos os funcionários – atualmente, apenas na unidade Ribeiro do Céu são 170 no campo, 80 temporários e cerca de 100 terceirizados – todos trabalhando com equipamento de proteção individual.

Nesta primeira etapa, o Grupo Vanguarda está pleiteando o selo EurepGAP para apenas uma parte do milho e da soja plantados (a previsão de colheita na atual safra é de quase 91 mil ton de soja convencional). Mas a intenção é a de certificar a produção de cerca de 33 mil ha, correspondente a toda a produção do Complexo Ribeiro do Céu.

Segundo o diretor executivo do IGCert, Marcelo Holmo, “a auditoria definitiva deverá ocorrer dentro de dois a três meses, mas numa avaliação prévia, a fazenda está muito próxima do padrão exigido, faltando apenas algumas adequações”.

Para Marlon Cristiano Buss, diretor executivo do Grupo Vanguarda, “o fato de estarmos em torno de 90% dentro dos padrões internacionais exigidos, é resultado de uma política que sempre foi a norteadora dos negócios do Grupo, que prioriza o respeito e a qualidade de vida de nossos colaboradores e o meio ambiente. Estamos a cada instante evoluindo, melhorando e aplicando novos conceitos de relacionamento e valorização do fator humano e meio ambiente. Sempre ficamos incomodados com o tratamento generalizado e depreciativo que alguns meios de comunicação nos atribuem. Somos exatamente o contrário, diferentes, e existem muitos outros agricultores que, como nós, são diferentes”.

Ele enfatizou também que “O Grupo Vanguarda, desde as suas origens, sempre preservou o meio ambiente conforme a lei determina e, em algumas situações, até a mais do que se exige. Além disso, com o manejo apurado no controle de pragas e doenças, conseguimos ter uma lavoura extremamente sadia e com ótimos índices de produtividade. O resultado disso é uma menor quantidade de aplicação de defensivos agrícolas. Só utilizamos os produtos na quantidade necessária e compatível com o nível de infestação, em doses bem reduzidas. E isso, em nosso entendimento, também é um grande benefício para o meio ambiente e nos traz um bom resultado econômico. Tudo isso iremos mostrar com a certificação do nosso trabalho.”.

Para o presidente do Grupo Vanguarda, Otaviano Pivetta, ex-prefeito de Lucas do Rio Verde e ex-secretário de Desenvolvimento Rural de Mato Grosso, todo investimento em boas práticas agrícolas vale à pena, porque isso se refletirá, no futuro, também nos preços dos produtos comercializados. Segundo ele, “obter o reconhecimento da EurepGAP, uma marca criada e avalizada pelos mais exigentes varejistas europeus, como a rede de supermercados Tesco e o Mac Donald’s Europe, é o caminho para sobreviver no mercado internacional. E queremos fazer parte desse novo cenário”.

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta