Governo federal investe R$ 16 milhões na Amazônia

Os ministérios do Desenvolvimento Agrário e do Meio Ambiente lançaram na noite de segunda-feira , em Brasília, um edital com investimento de R$ 16 milhões para a formação de agentes multiplicadores, assistência técnica e extensão rural em atividades florestais aos agricultores familiares na Amazônia. Esse é o segundo maior edital da história para a região. “Precisamos criar uma oportunidade para a Amazônia construir seu futuro de uma forma distinta, não predatória e não excludente”, disse Rossetto durante a assinatura do edital.

Para o ministro, o ato simboliza a continuidade de um trabalho que vem sendo desenvolvido nos últimos anos. “Sabemos que temos muito trabalho pela frente e os Os desafios são praticamente do tamanho da Amazônia”, reconheceu. Na solenidade Rossetto ressaltou a importância do trabalho conjunto entre os dois ministérios. “A presença integrada dos órgãos do governo federal tem colaborado muito para estimular os lutadores sociais que muitas vezes resistiram com a própria vida a um processo de exploração predatória e excludente”, afirmou.

O edital prevê a capacitação de 500 agentes multiplicadores em práticas de manejo florestal sustentável, silvicultura, reflorestamento e sistemas agroflorestais. A capacitação inclui ainda a adequação ambiental da propriedade rural, comercialização e beneficiamento de produtos florestais. Os projetos selecionados podem ser contemplados com até R$ 200 mil, com um prazo de execução entre 12 e 24 meses. Já na assistência técnica e extensão rural em atividades florestais a meta é beneficiar diretamente 3 mil produtores, com projetos de até R$ 600 mil e um prazo de aplicação entre 36 e 48 meses.

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, destacou que o edital está inserido numa estratégia de política pública mais ampla. “Esse edital não está fora de um contexto. Significa uma nova fase, um novo processo que busca compatibilizar as fortes ações de comando e controle do ordenamento territorial com uma agenda de desenvolvimento sustentável”, ponderou.

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta