Mato Grosso quer liberação para exportar carne para a União Européia

O Governo do Estado vai insistir com os organismos internacionais e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para habilitar todo o rebanho bovino de corte de Mato Grosso para que as exportações da carne cheguem aos países da União Européia (EU). A informação foi dada pelo secretário de Desenvolvimento Rural, Clóves Vettorato. O rebanho bovino do estado é de 26,84 milhões de cabeças.

Embora Mato Grosso não registre nenhuma ocorrência de foco de febre aftosa há dez anos, levantamento do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) aponta que apenas 49% do rebanho bovino do Estado estão credenciados a entrar na EU. Outros 51% do rebanho (totalizando mais de 13,51 milhões de cabeças) não estão habilitados para o comércio internacional quando o destino é o bloco europeu.

Vettorato lembrou, que na última etapa da campanha em 2005, o estado obteve índice recorde de vacinação contra a doença da febre aftosa no País: a cobertura vacinal atingiu 99,45% de todo o rebanho bovino do Estado. “Vamos pleitear para que todo o Mato Grosso seja habilitado para exportar carne para a União Européia”, disse Vettorato, lembrando que na última viagem a Brasília, no começo deste mês, o governador Blairo Maggi esteve em cinco ministérios,entre os quais o Mapa, ocasião em que discutiu o assunto com o ministro Roberto Rodrigues.

O secretário citou algumas realizações do Governo para beneficiar o setor agrícola, que amarga uma das piores crises dos últimos anos. Informou que os Estados do Centro-Oeste e o Distrito Federal vão pedir a prorrogação por um ano das parcelas vencidas em 2005 e vincendas em 2006 do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) Rural. A proposta encabeçada por Mato Grosso será apresentada no próximo dia 6 de março, em Pirenópolis (GO), na 37ª reunião ordinária do Conselho Deliberativo do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (CondelFCO).

Disse ainda que Mato Grosso é campeão em recolhimento de embalagens de agrotóxicos. De janeiro e setembro de 2005, o estado reciclou de 13.671 toneladas, um crescimento de 25,6% em relação ao mesmo período de 2004, quando foram registradas 10.883 toneladas, de acordo com o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev).

Vettorato elogiou os 2,5 mil produtores de Mato Grosso por terem colocado o estado na vanguarda do agronegócio. Contudo, o secretário defendeu a diversificação da produção, não só para agregar valor à produção, como para gerar emprego, renda e inclusão social. “Temos que repensar essa nova economia e buscar novas alternativas”, disse Vettorato.

Ele lembrou ainda a nova legislação ambiental em vigor no estado e programas como o MT Floresta, MT Regional, os consórcios intermunicipais de desenvolvimento econômico e social. “Vamos dizer ao mundo que somos campeões de respeito ao meio ambiente”, comentou o secretário.

No encontro, o presidente da Federação da Agricultura do Estado de Mato Grosso (Famato), Homero Pereira, motivou os agricultores para se manterem na atividade, apesar da crise cíclica do agronegócio. “Somos nós mesmos que temos que buscar saídas para superar a crise. Para isso temos que trocar idéias. Temos que fazer uma verdadeira ‘tempestade de idéias’ para encontrarmos uma solução para a nossa crise”, afirmou Homero, citando que o agronegócio representa 70% do Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso.

Fonte: Só Notícias/Nelson Francisco

Deixe uma resposta