Outra missão da UE vem ao Brasil em junho

A vinda de uma nova missão técnica da União Européia ao Brasil no próximo mês de junho trouxe mais uma preocupação ao setor exportador de carne bovina. O temor, conforme apurou o Valor, é de que os europeus esperem a nova visita para decidir levantar o embargo às importações de carne bovina do Estado de São Paulo.

Por conta da confirmação de focos de febre aftosa no Mato Grosso do Sul e no Paraná no fim de 2005, o bloco proibiu as compras dos dois Estados e também de São Paulo. Uma missão de veterinários europeus já esteve no país em janeiro para verificar os controles da doença nas áreas afetadas e havia até a expectativa de que o embargo fosse levantado durante a visita.

No entanto, até agora, o que a UE fez foi só aumentar o rigor em relação ao Brasil. Na quarta-feira, a Comissão Européia decidiu que todas as cargas de carne brasileira terão de ter certificados de comprovação de vacinação contra aftosa e de cumprimento de regras de rastreabilidade dos bovinos.

Documento produzido pela Comissão na reunião de quarta diz que “embora o sistema de rastreabilidade [no Brasil] pareça ter melhorado substancialmente, algumas melhorias são necessárias para evitar possível contato entre animais de diferentes status. É também necessário melhorar a eficácia da vacinação contra aftosa e a habilidade para demonstrar a falta de circulação do vírus da doença levando em consideração que apenas carne maturada e desossada é importada pela Comunidade”.

O Ministério da Agricultura ainda não foi notificado oficialmente da missão. “Ainda não sabemos exatamente os motivos da visita deles. Há duas hipóteses: ou vêm para reabilitar o país para a exportação ou para verificar as condições de certificação adicional”, disse Jorge Caetano, diretor de Saúde Animal do Ministério.

De acordo com fontes da área internacional do Ministério, a missão é de rotina. Todos os anos, a UE envia técnicos aos países terceiros para certificar se os requisitos de sanidade, necessários para que um país possa exportar ao bloco, estão sendo cumpridos.

A missão da UE que visitou áreas afetadas pela aftosa em janeiro tem até o fim do mês para enviar novas questões – caso existam – ao Brasil sobre os controles da doença. O Ministério da Agricultura tem 20 dias para responder. Assim, as respostas deverão ser avaliadas pela UE apenas entre abril e maio, diz uma fonte do setor exportador. Com isso, a avaliação é de que uma definição sobre São Paulo só deve sair perto da data da nova missão ao Brasil.

Fontes da área internacional do Ministério disseram, porém, que se o Brasil provar que vem cumprindo os requisitos, São Paulo pode ser reaberto antes disso.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta