Queda na safra 2005/2006 é ratificada

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) manteve projeção de queda para a safra mato-grossense este ano. Os números do segundo prognóstico de plantio da safra 05/06, divulgados ontem, indicam recuo de 9,06% na produção estadual, que cairá de 22,06 milhões de toneladas (t) para 19,99 milhões/t para as culturas de algodão, arroz, soja, milho e feijão. A área plantada ficará reduzida de 7,54 milhões de hectares (ha) para 6,55 milhões/ha, com decréscimo de 13,07%.

Dos produtos com maior peso na pauta de grãos em Mato Grosso, o arroz é o que contabilizará, até o final deste ciclo, queda mais expressiva. O IBGE projeta redução de 61% para a produção e de 63% na área plantada. A safra deverá cair de 2,25 milhões/t (2004/05) para 876,90 mil/t este ano. Já a área de plantio, que na safra passada atingiu 851,95 mil/ha, este ano ficará em 315,89 mil/ha.

De acordo com análise dos técnicos do IBGE, a falta de crédito, o problema do endividamento rural, a defasagem cambial (desvalorização do dólar relação ao real) e a inexistência de uma política agrícola para o setor foram as principais causas da redução da área cultivada e da produção de grãos.

“Observamos a falta de incentivo do produtor frente à atual conjuntura e ao quadro de incertezas que ainda predomina no agronegócio. Aqueles que dependem da atividade agrícola realmente sentiram o impacto da crise no ano passado e estão mais cautelosos este ano”, avalia o supervisor de Pesquisa Agropecuária do IBGE/MT, Fernando Marques de Figueiredo.

ARROZ – Este segundo prognóstico do IBGE aumenta a estimativa inicial de queda para o arroz mensurada ainda no ano passado, no primeiro levantamento do órgão. As primeiras informações apontam um recuo de 2,26 milhões/t (2004/2005), para 994,66 mil/t. A área plantada prevista para este ciclo era de 371,71 mil/ha, contra 855,63 mil/ha do ano anterior. Ou seja, a queda estimada era de 57%, contra os atuais 63%.

ALGODÃO – O IBGE mostra que a produção de algodão herbáceo (caroço) vai cair 22%, recuando das 1,64 milhão/t produzidas na safra anterior para 1,28 milhão/t para o atual ciclo. Com relação à área plantada, a retração deverá se confirmar em 21%, passando de 472,06 mil/ha (04/05) para atuais 373,57 mil/ha.

Na avaliação do técnicos do IBGE, os motivos da queda da área plantada e da produção de algodão e arroz em Mato Grosso foram os baixos preços pagos ao produtor e o aumento dos custos de produção.

Durante o levantamento das informações, os técnicos do IBGE observaram ainda que boa parte das áreas de algodão primeira safra migraram para a soja, considerada uma cultura de menor risco e maior liquidez.

SOJA – Para a soja, a projeção é de que a produção passe de 17,70 milhões/t (04/05) para 17,38 milhões/t, queda de 2%, e a área de plantio diminua de 6,08 milhões/ha (04/05) para 5,74 milhões/ha, uma redução de 6%.

Com relação à soja, a previsão do IBGE praticamente manteve os números do primeiro levantamento, que apontavam recuo de 3% na produção e os mesmos 6% na área cultivada.

MILHO – A produção de milho (1ª safra) deverá repetir os números do ano passado (449,70 mil/t), com a área de plantio devendo cair de 130,94 mil/ha (04/05) para 122,29 mil/ha, decréscimo de 7%.

FEIJÃO – Produto com menor peso na pauta do agronegócio mato-grossense, o feijão (1ª safra) terá incremento de 79,95% na produção, passando de 3,42 mil toneladas para 6,15 mil toneladas. A área plantada crescerá 23%.

BRASIL – De acordo com o levantamento realizado pelo IBGE, a produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas (caroço de algodão, amendoim, arroz, feijão, mamona, milho, soja, aveia, centeio, cevada, girassol, sorgo, trigo e triticale) está estimada em 126,083 milhões/t, 12,12% maior do que a obtida no ano anterior (112,454 milhões/t).

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe uma resposta