Setor da mandioca quer reajuste dos preços mínimos

Produtores e industriais da cadeia produtiva da mandioca querem que o Governo Federal reajuste os preços mínimos da raiz, da farinha e da fécula/amido, que estão “congelados” desde o ano de 2003. Em reunião técnica acontecida na sexta-feira (10-02), em Paranavaí (PR), foram levantados por integrantes do setor e técnicos da Conab valores considerados ideais hoje para os preços mínimos desses três itens. Os valores propostos pela cadeia produtiva, considerando-se, também, custos de produção coletados na Região Oeste do Estado, serão avaliados por técnicos e diretores da Conab, que levarão, posteriormente, a proposta ao Mapa.

De acordo com os estudos apresentados no encontro para produzir uma tonelada de raiz de mandioca o produtor rural gasta hoje R$ 110,95 (sem considerar juros cobrados por empréstimos para execução do plantio, o que elevaria o valor para R$ 125,16), enquanto que o preço mínimo do Governo é de R$ 54,00 a tonelada. Considerando-se este valor, a produção de um saca de 25 quilos de fécula/amido de mandioca custa R$ 15,61 – contra os R$ R$ 11,00 do preço mínimo estabelecido pelo Governo. Também com base no mesmo parâmetro, a saca de 50 quilos de farinha de mandioca tem custo de R$ 24,64 – enquanto o Governo tem como preço mínimo o valor de R$ 15,00.

Conforme o Presidente da Aproman (Associação dos Produtores de Mandioca do Noroeste do Paraná), Cleto Lanziani Janeiro; e o Secretário da Aipim( Associação dos Produtores de Mandioca de Ivinhema/MS), Osvaldo Cardogna, os preços praticados em ambos os Estados, para a tonelada de raiz, estão na mesma faixa: R$ 85,00 – para mandioca com renda 20.

Para o industrial do setor de amido de mandioca, Ancelmo Kuhnen, que tem indústria em Ivinhema/MS, se os preços mínimos fossem reajustados pelo Governo haveria maior interesse das farinheiras de voltar à atividade, o que contribuiria para retirar boa parte da raiz ofertada hoje no mercado. Para o Presidente da ABAM, Ricardo Bandeira Villela, os problemas vividos hoje pelo setor da mandioca têm como complicador a política cambial do País. “Estamos vivendo uma crise geral, devido ao câmbio irreal, que está afetando todos os produtos agrícolas”, enfatiza ele. As informações são de assessoria de imprensa.

Fonte: Agrolink

Deixe uma resposta